UMA NOVA ABORDAGEM DE PROTEÇÃO AOS RISCOS DE FOGO REPENTINO

A Westex ampliou seus conhecimentos dos riscos relacionados ao fogo repentino com os ensaios nas instalações Texas A&M University, este evento trata de estudar os efeitos deste risco em simulações de ambientes reais.

O último evento realizado reuniu um grande número de palestrantes, incluindo profissionais da área da saúde no tratamento de queimaduras; especialistas em  ensaios de fogo repentino, bem como um sobrevivente de um acidente de fogo repentino que infelizmente teve queimaduras por todo o corpo. O objetivo é conscientizar os participantes que o mero atendimento das normas relacionados aos fogo repentino não é suficiente para proteger os trabalhadores.

Com estas  demonstrações ao vivo, em escala real, de fogos repentinos utilizando hidrocarbonetos, foi possível comprovar o quão diferente é o comportamento de tecidos comuns e dos tecidos antichama quando envolvidos em uma situação de fogo repentino.

“O que muitos profissionais da área de segurança do trabalho desconhecem é de  como é limitada a exigência da NFPA 2112 “, salienta Maria Chies da Westex. “Esses padrões exigem apenas um nível mínimo de desempenho. A NFPA 2112 é um ponto de partida para avaliar tecidos antichama, NÃO é a última palavra no assunto”, disse Maria. Há muita informação relevante e valiosa que precisa ser conhecida além da “aprovação no ensaio”. Os catálogos publicadas de determinados tecidos não são suficientemente precisos, e apesar de muitos profissionais de segurança pensarem questão tomando boas decisões na escolha das vestimentas antichama, talvez não estejam”, disse Maria.

Algumas empresas informam que suas vestimentas antichamas são capazes de aguentar um fogo repentino por quatro segundos. “O problema é “, disse Maria,” a maioria de eventos envolvendo um fogo repentino não duram tanto tempo. Eventos de fogo repentino, são por definição, direcionais, movendo rapidamente suas frentes de chamas e durando três segundos ou menos. Apesar de que resistir ao fogo por quatro segundos pode ser uma característica interessante do tecido antichama, os profissionais de segurança do trabalho precisam saber como estes tecidos se comportam também em um, dois e três segundos. Porém, muitas empresas não fornecem esses dados porque esses dados não são tão favoráveis aos  seus tecidos”, disse Maria.

As ocorrências de queimadura tornam-se perigosamente altas em exposições ao um fogo repentino  de quatro segundos para praticamente todos os tecidos antichama utilizados em vestimentas para riscos secundários, e especialmente nos tecidos com menor peso. Além disso, muitos especialistas avaliam que qualquer resultado com exposição superior a três segundos é quase irrelevante, porque não incluem proteções para o rosto, cabeça, máscaras autônomas ou outra proteção para o sistema respiratório. Como resultado, nestes cenários se prevê efeitos catastróficos ou ferimentos fatais.

Mark Ackerman, ex-professor da Universidade de Alberta e um especialista em fogo repentino e vestimentas antichama, disse que a principal coisa que profissionais de segurança do trabalho devem fazer na especificação das vestimentas antichama é serem céticos quando eles ouvirem argumentos baseados em interpretações pouco sólidas dos resultados dos ensaios. Em geral, os ensaios para os tecidos antichama são projetados para serem inclusivos e não excludentes, e muitas vezes não refletem situações reais.

Mark pergunta: “Como você compara um tecido submetido ao ensaio de inflamabilidade vertical (ASTM D-6413) com um manequim exposto a um fogo repentino (ASTM F-1930)?”. A resposta é: “Você não pode compará-los”. Os resultados dos ensaios devem vir de um laboratório independente e as pessoas devem estar cientes de que diferenças menores que 4% de queimadura corporal não são significativas; eles estão dentro do desvio padrão do ensaio.”

Mesmo entre ensaios de manequins, os resultados podem variar amplamente devido a diferenças de sensores, do material da superfície do manequim e quanto dela foi exposta com base no ajuste da vestimenta ensaiada.

Os principais benefícios da realização das demonstrações em escala real ao ar livre foram dois; mostrou de forma clara como o fogo repentino se move rapidamente através de suas frentes de chama, resultando em uma breve duração de menos de três segundos (geralmente cerca de dois segundos) e demonstrou como um uniforme sem propriedades antichama se incendeiam facilmente, além das diferenças de proteção proporcionadas entre a vestimentas antichama de diversos tecidos oferecidos no mercado que também atendem os requerimentos normativos. Tecidos comuns sem proteção antichama (incluindo tecidos 100% algodão) se incendeiam facilmente e continuam queimando mesmo após a extinção do fogo repentino.

Para ser compatível com NFPA 2112, um tecido antichama deve apresentar um desempenho superior a 50% de proteção de queimaduras de segundo e terceiro grau no ensaio do manequim. “Infelizmente, muitas pessoas aceitam o argumento de “aprovado no ensaio” ou aceitam uma etiqueta (de acordo com a NFPA-2112) sem realmente entender o que isso significa, ou pensar nas implicações”, diz Maria . “Há uma grande diferença de desempenho da proteção entre vestimentas que são aprovadas na NFPA 2112, mesmo quando novas.”

Maria diz que é muito cômodo para os profissionais de segurança permitirem a adoção de qualquer vestimenta antichama que tenha sido aprovada pelo ensaio e está em de conformidade com a NFPA 2112 . Mas ela recomenda que se faça a seguinte pergunta:

“Foi aprovada com qual resultado?  49% ?”

“Não basta atender as normas. As normas representam o primeiro degrau da especificação da vestimenta pois há uma grande disparidade entre os tecidos que atendem os requerimentos da norma.”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Please solve the equation below: * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.