PROGRAMA DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO BASEADO EM ATIVIDADES VS. USO DIÁRIO

Estudo de Caso sobre Programas de Vestimentas

Satisfazer às necessidades dos trabalhadores e aos requisitos da indústria pode ser uma tarefa difícil. A quantidade e variedade de equipamentos de proteção disponível no mercado dificulta a definição de um caminho para a implantação ou atualização de um Programa de EPI’s, principalmente no setor elétrico.

Este artigo busca esclarecer as diferenças entre os programas de EPI’s baseados em atividades vs. programas de uso diário levando em conta os principais elementos de avaliação de risco que demonstram que os programas de uso diário podem oferecer um alto nível de proteção à luz das normas mais recentes.

Considerando-se o cenário regulatório vigente no campo da segurança, a adoção de medidas para redução de riscos é de fundamental importância, e no caso particular do setor elétrico, deve levar em conta o risco fatal associado ao arco elétrico. A norma NFPA 70E define o risco de arco elétrico como “uma fonte de possíveis ferimentos ou danos à saúde resultantes da liberação de energia causada por um arco elétrico”. Muito embora seja um incidente de curtíssima duração, o arco elétrico pode causar queimaduras extremamente graves em todos aqueles a seu redor.

As normas vigentes seguem destacando a importância de proteger os trabalhadores por meio de uma abordagem sistêmica de avaliação de riscos e, considerando-se a hierarquia das medidas de controle, a vestimenta antichama atua como a última barreira de proteção contra o risco de arco elétrico, fazendo-se a ressalva de que precisa ser eficaz quando necessária. A edição atual da NFPA 70E publicada em 2018, ressalta a obrigatoriedade do uso de EPI’s e a responsabilidade compartilhada entre empregadores e empregados na especificação e no uso diário dos mesmos.

As vestimentas antichama possuem duas propriedades fundamentais: auto- extinção – que visa reduzir a exposição térmica adicional – e isolamento térmico – que visa reduzir a ocorrência de queimaduras de segundo e terceiro graus.

A norma NFPA 70E estabelece requisitos para um ambiente de trabalho seguro no qual os EPI’s desempenham um importante papel e cujo atendimento requer a implementação de um programa formal. Para tanto, empregadores e empregados podem escolher entre dois tipos de programas: os baseados em atividades e os baseados em uso diário.

Como o nome sugere, no programa baseado em atividades, a vestimenta é colocada ao se executar uma atividade específica, enquanto que no programa baseado em uso diário, a vestimenta é usada durante toda a jornada de trabalho. Estes dois programas oferecem uma proteção adequada; porém, levando-se em conta o novo conceito de erro humano introduzido no Artigo 110 da NFPA 70E, o programa de uso diário é o mais indicado para atividades com risco de energia incidente mais baixa – categoria 1 e 2.

Definição do Programa de Vestimentas Baseado em Atividades

Nos programas baseados em atividades, os trabalhadores devem se paramentar com a vestimenta apropriada antes do início da tarefa, retirando-a após sua conclusão. Em tese, este processo oferece a proteção necessária para a atividade em questão. Todavia, é importante salientar que a proteção ao arco elétrico depende do uso correto de todos os EPI’s necessários para a atividade em questão.

 

Ao se comparar o investimento inicial, os programas baseados em atividades são mais econômicos do que os programas de uso diário. No entanto, outros elementos relacionados aos custos devem ser considerados nesta avaliação. Segundo a NFPA 70E, os trabalhadores devem utilizar roupas de fibras naturais como camisetas e roupas íntimas de composição de 100% algodão sob as vestimentas de proteção e isto pode se traduzir em um investimento adicional. Também, deve-se levar em conta o tempo necessário para a paramentação adequada de acordo com a atividade, o que se traduz em tempo ocioso impactando negativamente no custo total do programa.

Definição do Programa de Vestimentas de Uso Diário

Ao se avaliar as opções disponíveis, o custo de um programa de vestimentas de proteção de uso diário pode parecer excessivo. Vestimentas de uso diário servem como EPI’s de camada única que devem oferecer a proteção necessária ao longo de toda a jornada. Neste caso, o usuário não precisa tomar qualquer precaução extra, uma vez que as propriedades de auto extinção e isolamento térmico são intrínsecas à vestimenta utilizada. Com os avanços obtidos pela indústria têxtil nos últimos 20 anos, os tecidos antichama passaram a oferecer mobilidade e conforto antes inimagináveis, assemelhando-se aos utilizados em roupas de uso comum. Isto se traduz em conforto para os trabalhadores durante toda a sua jornada, já que não necessitam se paramentar com as vestimentas volumosas e desajeitadas de até há poucos anos atrás. Adicionalmente, quando mantidas de forma adequada, as vestimentas de proteção de uso diário fabricadas com tecidos de boa procedência, garantem proteção por toda a sua vida útil.

Programas de vestimentas de uso diário necessitam de poucas precauções adicionais para garantir proteção para arcos elétricos das Categorias 1 e 2, tais como proteção para a cabeça, face, mãos e pés. Eventualmente, camadas adicionais de proteção podem ser necessárias para tarefas de maior risco das Categorias 3 e 4. De um modo geral, programas de vestimentas de uso diário para ambientes de risco nas Categorias 1 e 2 aumentam a eficiência no trabalho de forma significativa uma vez que os trabalhadores podem se concentrar nas suas atribuições, sem ter que se preocupar em selecionar e vestir as vestimentas necessárias.

Considerações sobre programas de vestimentas baseados em atividades

Conforme já mencionado, programas de vestimentas baseados em atividades podem apresentar uma série de custos ocultos e que no longo prazo podem resultar em um investimento equivalente ou até superior ao de um programa de vestimentas de uso diário. Passando pela eficiência no dia-a-dia até a complexidade de se paramentar de maneira apropriada, programas baseados em atividades são suscetíveis a fatores adversos que podem se contrapor ao menor investimento inicial.

 

Independentemente do programa adotado, é importante garantir que as vestimentas antichama ofereçam o nível de proteção adequado para os riscos identificados na avaliação. Em muitos casos, o nível de proteção pode ser o mesmo nos dois programas, mas a confiabilidade do programa pode variar muito pelo seguinte motivo: o trabalhador vai colocar o EPI apropriado no momento apropriado? Neste momento, uma série de fatores entram em cena.

A edição de 2018 da NFPA 70E determina que: O processo de avaliação de riscos deve abordar o potencial de erro humano e as consequências negativas decorrentes sobre pessoas, processos, ambiente de trabalho e equipamentos.” Em outras palavras, o programa de segurança antichama deve estabelecer ações objetivas contra erros humanos. Esta diretiva, juntamente com os precursores de erro incluídos na Tabela Q, Anexo Q, indicam que os EPIs desempenham um papel vital na redução das consequências de um incidente com arco elétrico.

A Tabela Q indica quatro categorias de precursores de erro humano a saber: demandas específicas de cada tarefa, ambiente de trabalho, habilidades individuais e natureza humana, e que contribuem cumulativamente para o aumento dos riscos em trabalhos com eletricidade. Muitos desses precursores de erro podem ser reduzidos substancialmente através de um programa de vestimentas de uso diário, e podem ser agravados por um programa baseado em atividades devido à necessidade de os trabalhadores executarem um passo extra para alcançar o mesmo nível de proteção.

Assim, uma vez que os trabalhadores já estarão utilizando suas vestimentas antichama, os programas de uso diário reduzem sensivelmente a probabilidade e a severidade de queimaduras por arco elétrico decorrentes destes precursores.

Muito embora sempre exista pressão para se reduzir custos, o investimento associado a um programa de uso diário pode não ser tão alto quanto imaginado, especialmente quando levamos em conta os aspectos de conformidade e responsabilidade abordados pelas diversas normas vigentes. Uma visão de longo prazo sobre os temas de segurança e risco pode nos ajudar a justificar um programa de uso diário, minimizando o peso do argumento de menor investimento inicial. Ao fazer uso de tecnologias mais avançadas e que promovem a eficiência no local de trabalho, os programas de uso diário priorizam a segurança e a satisfação dos trabalhadores ao mesmo tempo que garantem o atendimento dos requisitos de proteção aplicáveis.

PARA UMA PROTEÇÃO ADEQUADA ESPECIFIQUE SEMPRE OS TECIDOS DA WESTEX.

 

 

 

SOBRE O AUTOR

Scott Francis é Gerente Regional de Mercado da Westex by Milliken nos Estados Unidos. Ele está envolvido com a indústria de segurança do trabalho desde 1991 e tem uma vasta experiência com tecidos antichama e programas de vestimentas de proteção. Participa de várias organizações do setor incluindo a National Safety Council-Utilities Division, Edison Eletric Institute, dentre outras. Atende frequentemente associações comerciais e grupos relacionados ao desempenho de tecidos de proteção.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Please solve the equation below: * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.